SA2CC

SA2CC

SOBRE O PROJETO

A adaptação da agricultura às alterações climáticas exige uma compreensão mais profunda dos processos dos ecossistemas.

Embora elementos individuais como as árvores florestais, as sebes e a agrossilvicultura façam parte da solução, as políticas florestais desatualizadas impedem o progresso. É necessária uma transição da abordagem tradicional – que separa a silvicultura das terras agrícolas – para uma perspetiva mais integrada. Também a silvicultura deve adaptar-se às alterações climáticas, tendo em conta a composição das espécies de árvores, as rotações de culturas e as intervenções prescritas. Os dados do inventário florestal podem orientar a migração de espécies de árvores para terras abandonadas, promovendo o desenvolvimento de novos ambientes. A colaboração entre especialistas em silvicultura e agricultura é crucial para uma adaptação climática inteligente, abrangendo aspetos como a gestão da água, a prevenção de incêndios florestais, a logística e a disponibilização de madeira para as povoações rurais.

O projeto SA2CC surge neste contexto, alinhado com o ODS da “Ação Climática”, que “visa enfrentar o desafio global e urgente das alterações climáticas, nomeadamente assegurando que todos os países do mundo (a) reforçam a sua capacidade de resiliência e adaptação às alterações climáticas, prestando especial atenção aos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento (PEID) e aos Países Menos Desenvolvidos (PMD), bem como às comunidades mais vulneráveis e afetadas pelas alterações climáticas (b) integram as alterações climáticas nas políticas, estratégias e planeamento globais e nacionais, a fim de assegurar ações coerentes, eficientes e rápidas e (c) sensibilizam e educam os cidadãos para o desafio climático e para as medidas a tomar”.

Grupos-alvo

Assim, os beneficários do projeto são:

Instituições de Ensino Superior com cursos relacionados com Agricultura, Florestas e Clima

uma vez que beneficiarão de programas curriculares atualizados com conteúdo e materiais sobre as alterações climáticas e abordagens de adaptação e mitigação;

Profissionais do meio académico

como professores
e estudantes,
que não só
adquirirão
conhecimentos
e
competências,
como também
reforçarão a sua
competitividade
profissional;

Organizações agrícolas

que estarão mais bem preparadas para desenvolver tipos específicos de
produtos agrícolas, tendo em conta as
características
climáticas da sua área;

Estabelecimentos de ensino superior do Quirguizistão e da Mongólia

que receberão formação em competências digitais para o ensino e beneficiarão de novo software e equipamento relevante para a sua atividade.

Neste contexto, os objetivos gerais do projeto são:

Combater os efeitos da crise climática (CC) nos setores da agricultura, da produção pecuária em pequena escala e da silvicultura através da formação de cientistas competentes e bem qualificados;

Identificar os pontos fortes e fracos dos cursos de ensino superior existentes, bem como os conhecimentos e competências específicos adquiridos nas disciplinas sobre as alterações climáticas;

Rever e atualizar os programas curriculares existentes de modo a incorporar tópicos e disciplinas relacionados com as alterações climáticas;

Promover a educação como um meio de lidar com as alterações climáticas;

Aumentar a produção/qualidade dos alimentos, atenuando as consequências das alterações climáticas;

Desenvolver pacotes de recursos educativos e workshops de formação para apoiar as instituições de ensino superior na integração das alterações climáticas nos planos curriculares, através de estudos de casos, avaliações de vulnerabilidade e de risco e da aplicação de estratégias de adaptação;

Envolver jovens docentes e estudantes de pós-graduação no processo de investigação sobre as alterações climáticas na região do Baikal;

Criar oportunidades para os responsáveis pelos programas curriculares trocarem experiências e ideias que possam contribuir para o desenvolvimento de novos cursos e estratégias de ensino.